Notificações

Kinguin ALTERNATE a. 1.43 2.65
 
 
"2020 Vision: What does eSports need to do to break the ceiling?" @ Web Summit 2018
 

Autor: Marcelo Silva

Data: 06 Novembro 2018 10:40

 
 

Ontem no espaço "Sports Trade" do Web Summit decorreu uma conferência dedicada aos esports, sob o titulo "2020 Vision: What does eSports need to do to break the ceiling?". O painel é composto por um dos atuais CEO da ESL, Ralf Reichert, e ainda por Meeta Singh, que é Chief of Sleep Medicine na Henry Ford Health Systems, uma organização sem fins lucrativos da área da saúde, com moderação de Nate Lanxon, editor da Bloomberg News, um media-outlet da área de marketing e tecnologia.

Os Defining Stars estiveram presentes na conferência e poderás ver aqui um resumo da mesma.

A conferência centrou-se em temas atuais dos Esports, como a questão de se deve ser reconhecido como um desporto, a relação com o comité olimpico e a possibilidade de introdução dos Esports nos jogos olimpicos em 2020.

 

[Os esports] estão entre os grandes desportos em termos de 'spectatorship' " - Ralf Reichert

 

Inicialmente foi pedido a Ralf para definir Esports e dar uma ideia do que são, tendo o CEO da ESL referido que, na sua essência, são competições de videojogos. O orador avançou ainda que neste momento os esports contam com aproximadamente 3 milhões de fãs, algo que cresce aproximadamente 50% todos os anos, e que os esports se encontram entre os grandes desportos quando falamos em termos de número de espectadores. Ralf avançou ainda que o evento maior evneto da empresa em Katowice contou com 50 milhões de viewers únicos. 

 

Eu acho que, definitivamente, os Esports se qualificam [como um desporto]" - Meeta Singh

 

Posteriormente o moderador dirigido o tema para a questão de se são um desporto, no qual Meeta comentou, dando a sua opinião, dizendo que "definitivamente considera os Esports um desporto" e que os jogadores deveriam ser reconhecidos como atletas, a oradora acrescentou ainda que um exemplo de como isso já está a acontecer, que é o de os Estados Unidos concederem vistos do tipo P1 (um tipo especial que é destinado apenas a atletas) a jogadores de Esports.

Ralf usou os seus dois irmãos (também eles co-fundadores da SK Gaming) como exemplo, referindo que há aproximadamente 20 anos atrás (antes da altura de fundação dos SK) os mesmos jogavam profissionalmente na segunda divisão de futebol, na Alemanha, tendo estes depois optado por se dedicar a 100% aos desportos eletrónicos, na altura jogaram numa equipa de Quake. Ralf disse que para eles nunca houve diferenças entre os esports e o desporto que praticavam anteriormente.

 

Muitos jogadores praticam 14 horas por dia, e isso não é algo sustentável" - Meeta Singh

 

Nate questiona Meeta, que costuma trabalhar com jogadores profissionais de esports, sobre o facto de haverem jogadores a "reformarem-se" quando ainda são bastante novos. Meeta refere que os jogadores de Esports começam muito novos (17/18 anos, a jogar profissionalmente) e que devido à pressão que é exercida sobre eles, estes costumam praticar muitas horas por dia (14 ou mais) e que isso não é algo sustentável, daí os jogadores acabarem por terminar as suas carreiras cedo. Na opinião profissional da mesma, o que leva a essa "saída cedo" não tem muito a ver com questões do tempo de reação diminuir com a idade entre outras, mas sim com o facto de ao longo dos anos os jogadores estarem constantemente sujeitos a privação de sono.

Ralf diz que na sua perspetiva, os jogadores que atingem o topo costumam lá ficar durante mais tempo e que não é assim tão comum ver jogadores profissionais a saírem cedo.

Questionado sobre a possibilidade de os Esports estarem nos Jogos Olímpicos de 2020, Ralf refere que no início deste ano foi feito um torneio de demonstração nos Jogos Olímpicos de Inverno, em PyeongChang, Coreia do Sul, e em Junho deste ano uma conferência com a IOC sobre a questão e de onde a "resposta oficial" foi que "não será um desporto oficial dos jogos olímpicos em breve" mas em 2020 algo próximo disso deverá acontecer. E que o que está mais em discussão é o "como" deverá funcionar.

 

Regulamentação por parte do governo é algo que nós definitivamente não precisamos" - Ralf Reichert

 

 Na questão de se os Esports devem ser regulamentados Meeta e Ralf concordam que deva existir uma "associação" de jogadores, que põe o bem estar dos mesmos em primeiro lugar e de forma a prevenir excessos de tempo de treino, entre outras coisas. Ralf refere ainda que isso é senso comum, não sendo propriamente algo sequer a ser discutido. Ralf acrescenta ainda que neste momento a ESL já faz diversas coisas, como os testes de drogas, de forma a proteger os jogadores e os esports no geral.

Ralf discorda que deva haver intervenção de governos ou corpos como a IOC a tentar alterar a forma de funcionamento dos esports simplesmente porque acham que faz sentido.

De seguida, e para concluir, Nate questiona Meeta e Ralf sobre o que é que deve mudar nos Esports para que estes continuem a crescer de forma saudável.

Ralf refere que algo que é necessário é algo semelhante ao que acontece no futebol, apostar na formação e nos clubes locais terem estruturas de esports.

Comentários

É necessário ter o login feito para efectuar um comentário.